Inicio  » Revista Veterinaria REDVET  » REDVET Vol 18 Nº 02 Febrero 2017

021704 - Importância do ambiente térmico em produção de suínos na fase de creche (Importance of the thermal environment in pig production in the nursery phase)

Autor

Padilha, Joselaine Bortolanza*¹ | Groff, Priscila Michelin1 | Takahashi, Sabrina Endo2 | Einsfeld, Suelen¹ | Rosa, Ezequiel Ortiz³ | Andrade, Mariana de³ | Bagatini, Alexandra³ | Gerhards, Sebastião Júnior³
1 Mestranda, Programa de Pós Graduação em Zootecnia. Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Dois Vizinhos, PR, Brasil. 
2 Professor, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Dois Vizinhos, PR, Brasil. 
3 Graduando, Graduação em Zootecnia. Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Dois Vizinhos, PR, Brasil. 







Fecha de publicación

02/04/2017

Resumen

O Brasil é um país que apresenta uma diversidade de climas entre as regiões e nas diferentes épocas do ano, fato que pode causar prejuízos à suinocultura, pois o ambiente térmico tem grande importância no sistema produtivo. Na fase de creche, os leitões exigem ambiente aquecido, com temperatura próxima àquela da maternidade, impedindo que sejam submetidos a estresse por frio. Desta forma, o objetivo desta revisão é expor os principais fatores de importância com relação ao ambiente térmico em produção de suínos, com ênfase na fase de creche. Os suínos são considerados animais homeotérmicos, não necessitando de produção, nem de perda de calor, quando alojados dentro da faixa de termoneutralidade. Os animais mais jovens exigem temperaturas mais altas e toleram menos mudanças na temperatura ambiente. Para a fase de creche a temperatura ideal nas duas primeiras semanas de alojamento é de 24° C e da terceira semana até o final dessa fase em torno de 20° C. Quando se submete os animais a temperaturas fora dessa faixa, pode ocorrer redução na produtividade com consequentes prejuízos econômicos. Os leitões consomem mais ração quando são submetidos a temperaturas menores ao seu limite crítico inferior, revertendo os nutrientes para manutenção, reduzindo o crescimento. Desta forma, é necessário intervir no ambiente em que o animal está alojado, desenvolvendo táticas que impeçam o estresse por frio.

Abstract

Brazil is a country that presents a diversity of climates between regions and at different times of the year, a fact that can cause losses to pig farming, because the thermal environment has great importance in the productive system. At the nursery phase, piglets require a warm environment, with temperature close to that of the maternity, preventing them from being subjected to cold stress. In this way, the objective of this review is to expose the main factors of importance with respect to the thermal environment in pig production, with emphasis on the nursery phase. The pigs are considered homeothermic animals, not requiring production or heat loss, when housed within the thermoneutral range. Younger animals require higher temperatures and tolerate fewer changes in room temperature. For the nursery phase the ideal temperature in the first two weeks of accommodation is 24°C and the third week until the end of this phase at around 20°C. When animals are subjected to temperatures outside this range, reduction in productivity with economic losses. The piglets consume more feed when they are submitted to temperatures below their lower critical limit, reversing nutrients for maintenance, reducing growth. In this way, it is necessary to intervene in the environment in which the animal is housed, developing tactics that prevent cold stress.

Artículo

Palabras clave

aquecimento | conforto térmico | desempenho | suinocultura | temperatura.
heating | thermal comfort | performance | pig farming | temperature.


Comentarios